Logo após sofrer queimaduras muito graves esta criança foi abandonada pela própria mãe

Quando Matvey Zakharenko nasceu em Tula, na Rússia, uma cidade próxima a Moscou, era um bebê saudável e feliz. Ainda assim, sofria de um caso leve de icterícia – caracterizada pela coloração amarelada dos tecidos e secreções orgânicas – que exigia tratamento.

Os médicos prescreveram um tratamento com luz que o obrigava a ficar deitado sob uma lâmpada especial por um curto período de tempo. Tragicamente, o que era para ser um tratamento quase custou a vida do bebê.

222

Embora o recém-nascido ficasse sob supervisão durante a terapia, um dia, a enfermeira deixou o quarto. Foi quando a tragédia aconteceu: uma das lâmpadas explodiu e pegou fogo, e antes que a enfermeira pudesse apagar, Matvey tinha sofrido graves queimaduras em todo o corpo.

333

Para piorar as coisas, quando a mãe de Matvey soube o que tinha acontecido – e que precisaria de cuidados especiais – decidiu que não o queria mais. Surpreendentemente, essa história começou a se espalhar, e hospitais e outras famílias se ofereceram para ajudar.

444

Ao final disso, Matvey foi adotado por uma mulher chamada Svetlana, que começou um a escrever um blog para que as pessoas pudessem acompanhar sua história.

“O processo de adoção está completo. Matvey é oficialmente um membro da nossa família, mas isso foi apenas uma formalidade. Já o amávamos há muito tempo”, escreveu Svetlana.

Desde então, Matvey passou por várias cirurgias e continua a melhorar. Na verdade, ele ainda consegue encontrar razões para sorrir. Embora já tenha experimentado muita dor e perda, Matvey, de 2 anos, continua lutando. É horrível que qualquer criança tenha que experimentar tantos traumas tão cedo, mas Matvey está batalhando e cercado por pessoas que o amam, o que faz toda a diferença. [boredomtherapy.com]

Lembramos que o comparativo da pesquisa não exprime algum tipo de ideologia ou apologia a tal tema de responsabilidade do site, estamos apenas reproduzindo um conhecimento científico.

Vimos em: jornalciencia.com

Comentar