Conheça os Efeitos e as Consequências das Drogas mais Famosas!

O problema com as drogas está longe de ser solucionado. Além de ter um uso muito difundido em todo o mundo, as drogas estão intimamente ligadas com a violência e com o crime organizado. Enquanto algumas pessoas pensam que a solução para o problema seria descriminalizar (e regularizar) as substância, outras defendem um maior policiamento para por um fim definitivo à velha guerra contra o tráfico. No Brasil, as drogas mais famosas estão em todas as cidades, e você já deve ter ouvido sobre elas.

0013785321

Mas, mesmo que você conheça as drogas, sabe quais são os verdadeiros efeitos delas? Talvez seja possível ter alguma ideia, devido às muitas representações que a cultura pop e a televisão fazem do uso de drogas. Uma pessoa que nunca tenha experimentado heroína, por exemplo, pode imaginar qual o efeito só de assistir à icônica cena em que Jesse Pinkman, de Breaking Bad, injeta a substância com a namorada.

Heroína: Quando foi criada, a heroína era usada como uma alternativa à morfina, por se acreditar que a substância era menos viciante. Feita a partir da extração de ópio, ela é um anestésico potente, que dá uma sensação de euforia e bem estar a seus usuários – por vezes, a sensação é descrita como uma espécie de orgasmo na região do intestino. Apesar de ser amplamente consumida em todo o mundo, aqui no Brasil a droga injetável não pegou. A heroína tem uma desintoxicação difícil. O viciado sente náuseas, dores físicas e diarreia. É bastante comum que o usuário não consiga viver sem a droga, o que faz com que sua vida esteja intimamente ligada ao tráfico.

Solventes: Quando a cena punk começou a crescer no fim dos anos 70, os solventes se tornaram uma droga bastante popular por aqui. Como são facilmente encontrados em qualquer loja de equipamentos e até em alguns supermercados, solventes como cola, benzina e removedor de esmaltes se espalharam pelas ruas. Por serem bem baratos, os solventes são mais usados por crianças carentes, que cheiram as substâncias dentro de um saco plástico, muitas vezes colocado sobre a cabeça. O efeito alucinógeno acontece devido à algumas substâncias utilizadas em sua formulação industrial.

Cogumelos Alucinógenos: Como parte de cultura e religião, os cogumelos alucinógenos são bastante comuns em várias sociedades. São quase 200 espécies de cogumelos com propriedades alucinógenas, que contem aos princípios ativos psilocina e psilocibina, responsáveis pelos efeitos causados no usuários, que podem até levar a morte. O efeito é semelhante ao do LSD, embora seja com uma duração menor. O problema é que alguns cogumelos, além de alucinógenos, também são venenosos – um risco que não vale a pena.

Ópio: Uma das drogas mais antigas, o Ópio tem sido cultivado desde a era Neolítica. A substância é retirada da papoula, cujas sementes também podem ser utilizadas como tempero. O ópio tem um potente efeito narcótico e anestésico, e pode ser fumado ou mesmo comido, bem como dissolvido em álcool (!) e bebido. O láudano, como é chamado a bebida alcoólica que leva o ópio, se tornou famoso por seu uso pelos poetas do romantismo. Ele até se tornou uma bebida comum entre a classe trabalhadora.

LSD: O LSD, também conhecido como papel, é uma das substâncias alucinógenas mais poderosas conhecidas. Bastante popular em baladas, a droga foi inventada em 1938 por Albert Hoffman, um químico suíço que estava em busca da cura para o resfriado. Sério mesmo, assim se deu a criação da droga: por puro acidente. Uma gota do produto caiu em sua mão e ele começou a ter alucinações na volta para a casa. A fama do LSD se deve ao uso pelas celebridades, até mesmo pelos Beatles.

A droga amplia a sensação sonora e visual do usuário, e até mesmo algumas sensações físicas e psicológicas são alteradas – por isso são tão populares em festas. Os estímulos visuais, no entanto, podem causar efeitos muito piores no usuário, como paranoia, confusão ou crise do pânico – ainda que nem todos sintam.

Anfetaminas: As anfetaminas são as drogas que, a grosso modo, estimulam os níveis de dopamina e serotonina do cérebro. Estas são substâncias ligadas ao bem-estar, que criam efeitos de euforia nos usuários e diminuem o cansaço físico. As anfetaminas tem uso médico no tratamento da hiperatividade de adultos. As anfetaminas ficaram famosas na década de 70 e voltaram a aparecer nos anos 90, com a popularidade da música eletrônica. Curiosamento, Hitler recebia uma dose da droga por dia, junto com suas vitaminas diárias.

Ecstasy: Inicialmente utilizado como medicamento psiquiátrico, o ecstasy também produz uma sensação de bem-estar, além de diminuir a ansiedade e o medo. Apesar de ser proibido em quase todos os países, é uma das drogas lícitas mais utilizadas em todo o mundo. O ecstasy é usado oralmente ou cheirado, em forma de pó. Como efeitos colaterais, o usuário pode sofrer de desidratação, o que pode levar à morte. O problema com a droga é o fato de que as indústrias clandestinas que produzem a substância cometem muitas falhas na produção, que aumentam ainda mais o risco.

Cocaína e Crack: Você pode não saber disto, mas a planta que é utilizada na fabricação das drogas é originada daqui mesmo, da América do Sul. Até mesmo os índios peruanos a utilizaram, mastigando a planta para aproveitar seu efeito. A cocaína é estimulante, acaba com o apetite e é anestésica. Durante os primeiros anos da fabricação da Coca-Cola, especula-se que a droga chegou a ser utilizada em sua fórmula, mas foi removida quando se tornou proibida.

Ela é uma droga cara, e portanto difícil de ser encontrada nas ruas. A versão modificada da cocaína, o crack, foi o responsável por popularizar a droga. Derivado da cocaína com bicarbonato de sódio ou hidróxido de sódio, a droga “fumável” é bem mais barata. Conhecida por ser ainda mais viciante que a cocaína, o crack causa euforia, confiança e um eterno desejo por mais.

Maconha: Bom, a mais polêmica também é a mais simples. Famosa por ser recreacional, a flor da maconha tem sido cultivada há milhares de anos. Seus efeitos são psicodélicos e psicoativos. A cannabis pode ser fumada, e o seu efeito é imediato. O usuário sente uma leve sensação eufórica, que pode ser intensificada dependendo do método de fumo ou mesmo pela quantidade da dose. Ela geralmente não é debilitante, exceto quando é utilizada em altas quantidades, o que pode causar confusão mental.

Vimos em: ochumano.blogspot.pt

Comentar