Mickey Bradyde de 51 anos mostra as terríveis consequências do cigarro

Mickey Brady, 51 anos, começou a fumar quando tinha apenas 14 anos, pela influência dos amigos. Agora, ele compartilha as imagens das consequências de seu hábito, que resultou em um diagnóstico de câncer nas amígdalas e, eventualmente, uma cirurgia para a retirada de um tumor – que deixou uma cicatriz de pouco mais de 20 centímetros em seu pescoço. Entretanto, regularmente, ele precisa enfrentar sessões de quimioterapia e radioterapia para tentar vencer a doença.

mickey

Segundo a Mayo Clinic, o câncer de amígdalas é um dos cânceres de cabeça e pescoço mais comuns em fumantes. Ele se desenvolve na parte da garganta logo atrás da boca, chamado de orofaringe. Os principais fatores de risco para o desenvolvimento de câncer de garganta são fumar, beber álcool em excesso e dieta deficiente em frutas e legumes. Além disso, a exposição ao vírus do papiloma humano (HPV) (durante o sexo oral) ou pessoas que sofrem de refluxo ácido, também estão estre os grupos de risco. Os sintomas de câncer de garganta podem incluir, dificuldade de deglutição, formação de nódulos ou feridas que não cicatrizam, dores de garganta, tosse, mudanças na voz, dores de ouvido e perda de peso.

Todos nós, quase que diariamente, somos informados sobre os perigos do fumo. Assim, Brady resolveu fazer diferente. Através do Facebook resolveu compartilhar fotos da sua terrível realidade, representada por uma cicatriz de mais de 20 centímetros na garganta – que vai desde o ouvido até a clavícula – resultado de uma operação para a retirada de um tumor alojado em sua amígdala esquerda.

“Eu comecei a fumar aos 14 anos, quando comecei a sair com meus amigos. Nessa idade você pensa que é indispensável, mas à medida que envelhece sua saúde envelhece junto. Sou o primeiro na minha família a ser diagnosticado com câncer. Nunca pense que isso nunca irá acontecer com você”. Pai de um filho, ele agora está enfrentando sua sexta semana de radioterapia e quimioterapia, e os médicos disseram-lhe estar esperançosos quanto a cura da doença.

Brady, que trabalha para o Conselho Bolton como um oficial da comunidade do bairro, disse que, após o diagnóstico, rapidamente mudou o seu estilo de vida e o maço de cigarros foi a primeira coisa a ser descartada.

“Eu não queria assustar as pessoas com a imagem, só queria incentivar uma conversa a respeito dos riscos do tabagismo. Os médicos disseram que, como fui diagnosticado cedo, tenho mais esperanças de cura. Felizmente tenho o apoio dos familiares e um monte de amigos ao meu lado”.

Vimos em: jornalciencia.com

Comentar